Comentário por Gary Stokes, diretor da Sea Shepherd Hong Kong:

Comentário por Gary Stokes, diretor da Sea Shepherd Hong Kong::

“Recentemente o Japão anunciou que, apesar da decisão de proteger cinco espécies de tubarões na CoP16 reunião da CITES (ou ICNF – Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas) realizada em Bangkok em março deste ano, o Japão está a entrar numa “reserva” (ou seja, ele vai ignorar essa decisão), uma vez que não reconhece que a Organização das Nações Unidas cita como um corpo que deve gerir as espécies de animais do mar. A última vez que verifiquei, uma espécie ameaçada é uma espécie em extinção, independentemente de onde vive, mas o Japão e outros países desonestos, como Singapura, acredita que a CITES deve “não envolver-se” na gestão das pescarias e que essa gestão seja controlada pela ORP (organizações regionais de gestão da pesca). O argumento da maioria das ONGs e cientistas é que, se as ORP estavam a fazer um bom trabalho na gestão das suas pescarias, as espécies (de tubarões) nunca precisariam de serem propostas para a CITES.“